100 dias de mandato: Eleitos lidam com os efeitos da Covid-19 na saúde pública

26 de Fevereiro de 2021 | Notícias

Os prefeitos eleitos tomaram posse no dia 1º de janeiro, dando início a um período muito estratégico ao mandato de um representante eleito para ocupar um cargo municipal. Durante os 100 dias de mandato, eles devem implementar ações relevantes que irão reverberar por toda a gestão e que precisam envolver medidas relativas à boa governança, definição de metas, formação de equipes e definição das prioridades do mandato.

Desde então, os prefeitos recém-eleitos já se depararam com novas demandas impostas pela crise do novo coronavírus (Covid-19), o início da vacinação da doença, os desafios na sustentabilidade fiscal de seus municípios e com o retorno da agenda de prioridades do Congresso Nacional. 

No artigo abaixo, você confere o primeiro episódio da série dos 100 dias no nosso podcast Coisa Pública, sobre os desafios na saúde pública, e a ferramenta Coronacidades, criada em parceria com o IEPS - Instituto de Estudos para Políticas de Saúde.

Podcast Coisa Pública: 100 dias: Pandemia traz à tona os desafios na saúde pública

 

Os prefeitos recém-eleitos estão lidando, além dos casos da Covid-19, com todas as outras questões de saúde que foram reprimidas durante a quarentena. 

No podcast Coisa Pública, abrimos nossa série sobre os desafios nos 100 dias de mandato, falando sobre a saúde pública. E para isso, convidamos a Ana Maria Albuquerque, Secretária de saúde de Cabo de Santo Agostinho, e a Stefania Vludarski, Diretora Geral da Organização Social de Saúde da Fundação do ABC. Ouça o episódio.

 

Reforma administrativa equilibra as contas públicas no longo prazo

 

Dos 405 maiores municípios do Brasil, 91 deles já superam, pelo menos, o limite de alerta da LRF para despesas com pessoal, gastando mais de 54% de suas receitas líquidas com o funcionalismo local.

O sinal verde dado pela Câmara dos Deputados para a tramitação da PEC 32/2019, que trata a reforma Administrativa, pode ser uma virada de chave no setor público para os próximos anos. O ajuste das contas públicas é um dos maiores desafios das cidades brasileiras.

Equilibrar as contas ao longo prazo é estratégico para municípios “arrumarem a casa”, qualificarem o gasto público e consequentemente, canalizarem os recursos em investimentos para a geração de emprego e renda. Leia o artigo de Tadeu Barros, Diretor de Operações do CLP.

 

Ferramenta Coronacidades 

 

A falta de uma coordenação para gestão da pandemia resulta em um ônus enorme ao Brasil, impactando negativamente a capacidade do poder público de responder à crise. Na inexistência de um planejamento nacional consistente, os municípios de pequeno e médio porte são os que mais sofrem, pois têm pouca capacidade de execução. 

Pensando nisso, a plataforma Coronacidades foi criada para apoiar municípios de pequeno e médio porte no uso de dados e informações para tomadas de decisão mais acertadas e eficientes na resposta à Covid-19. Desde o seu lançamento, foi possível potencializar o uso de dados e informações para a tomada de decisão de gestores públicos. Acesse a nossa Casoteca para saber mais.