São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina são os campeões em educação, segundo ranking dos estados

19 de Setembro de 2016 | Imprensa

Resultados Educacao 2016O Ranking de Competividade dos Estados 2016, anunciado nesta segunda-feira (19), analisou 65 indicadores do Brasil, entre eles sete agrupados no pilar educação. O estudo é realizado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), em parceria com a Consultoria Tendências e a Economist Intelligence Group. 

Na avaliação da educação, as primeiras posições no Ranking foram ocupadas por São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina. Rio Grande do Norte subiu quatro posições em relação ao ano anterior, o maior crescimento do Ranking, por conta da melhora relativa na taxa de abandono do ensino médio. O estado passou de 24º em 2015 para 20º em 2016. Bahia foi o estado que teve a maior piora na educação, caindo de 19º para 22º lugar, com perdas de posições nos indicadores de taxa de abandono do ensino fundamental e médio.

>> Confira o resultado do Pilar Educação da edição 2016 do Ranking de Competitividade dos Estados

Um dos índices analisados foi a nota do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA), que, entretanto não teve uma atualização entre a medição de 2016 e 2015. As notas do PISA 2012 ainda são as mais recentes. Na edição 2012 do PISA, o Brasil ficou entre os últimos colocados. Dos 65 países que participaram do exame, o País ficou em 55º em leitura, 58º em matemática e 59º em ciências. Em comparação aos países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil está em última posição. Apenas cinco estados brasileiros — Espírito Santo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Minas Gerais — alcançam o nível do país membro da OCDE com o menor resultado no ranking PISA, o México. 

Relatorio EducacaoApesar de uma melhoria no sistema educacional e nas taxas de escolarização, há um número maior de alunos de zonas rurais que agora fazem parte do sistema educacional. Há também pontos positivos a serem considerados como o acréscimo obrigatório de um ano letivo no sistema, e a tendência a expandir o gasto por aluno no sistema escolar, aumentando o investimento em educação no Brasil.

Desde a aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente, houve uma diminuição de mais de 64% da taxa de evasão escolar no ensino fundamental. Mesmo assim, o País ainda não se posiciona bem em relação aos outros países da OCDE, ficando acima apenas do México, que possui uma taxa de abandono no ensino médio de 48,8%. Os países membros da organização têm, em média, uma taxa de 16,7% de abandono do ensino médio, muito abaixo dos 39,1% no Brasil. 

No pilar educação foram avaliados os seguintes índices: avaliação da educação; IDEB; ENEM; PISA; Índice de oportunidade da educação; taxa de abandono do ensino fundamental; e taxa de abandono do ensino médio. 

 

Ranking de Competitividade dos Estados

Uma realização do CLP, em parceria com a Consultoria Tendências e a Economist Intelligence Group, o Ranking constitui uma importante ferramenta para avaliação da administração pública. Também reconhece as melhores práticas visando o desenvolvimento econômico e social do País. O  resultado permite ao gestor público avaliar as necessidades e prioridades do seu estado. Ao setor privado, permite um estudo de possibilidade para investimento. 

O Ranking, que está em sua quinta edição, analisa a capacidade competitiva de todos os estados brasileiros e o Distrito Federal em 65 indicadores, agrupados em 10 pilares. Entre os indicadores, 36 são comparados com dados internacionais de 34 países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Itens como infraestrutura, educação, inovação, potencial de mercado, segurança pública, solidez fiscal, sustentabilidade social, sustentabilidade ambiental compõem o quadro. Confira o Ranking completo no link: rankingdecompetitividade.org.br