Como usar o Ranking para a melhoria dos Serviços Públicos?

01 de Julho de 2015 | Notícias

Como usar o RankingO Ranking de Competitividade tem o objetivo de alcançar um entendimento mais profundo e abrangente dos 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal, sendo uma ferramenta de simples consulta e objetiva. A partir do Ranking é possível identificar pontos de melhoria e definir os focos de atuação dos governos estaduais.

A questão dos sistemas de avaliação

Uma crítica comum feita aos sistemas de ranqueamento, refere-se às limitações impostas pelos indicadores escolhidos para compor o sistema de avaliação. 

Ao definir quais indicadores compõem um ranking, aqueles que não compõem e classificar um grupo de concorrentes baseando-se nessas premissas, os atores avaliados competem para alcançar melhores resultados nos indicadores considerados, deixando os indicadores que não compõem o sistema de avaliação em segundo plano.

Nesse contexto, o problema acontece quando o sistema de avaliação ignora indicadores importantes para o tema avaliado.

Imaginem um ranking que avalia o nível de inovação de cada região do país. O conjunto de indicadores abordados se limita aos indicadores de base, como investimento em pesquisa, número de laboratórios construídos, etc. Nesse escopo, o ranking de inovação ignora os possíveis indicadores de resultados ou qualidade, como número de produtos criados pelos laboratórios, número de prêmios recebidos e pessoas envolvidas no processo.

Um ranking como o ilustrado acima, pode até ser usado para classificar qual região é mais inovadora e qual aquela que deixa a desejar, porém, sua aplicabilidade é falha, uma vez que não inclui indicadores necessários para uma avaliação completa acerca do tema.


O Caso do Ranking de Competitividade

No caso do Ranking de Competitividade dos Estados, ele traz 65 indicadores na sua base, que agrupados, resultaram em 10 pilares estratégicos para o desenvolvimento do Brasil. São eles:

- Capital Humano
- Educação
- Eficiência da Máquina Pública
- Infraestrutura
- Inovação
- Potencial de Mercado
- Segurança Pública
- Solidez Fiscal
- Sustentabilidade Social
- Sustentabilidade Ambiental

Na plataforma do Ranking, cada pilar por ser aprofundado e analisado caso a caso. Além da riqueza de dados, o Ranking traz benchmarks internacionais com os países da OCDE -Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que conta com países como México e Chile, para comparativos próximos, e países de IDH elevado, para a busca de práticas que podem ser replicadas no Brasil.

Estados bem posicionados no Ranking, como São Paulo, Santa Catarina e Paraná, podem dar um próximo passo e buscar os casos internacionais para replicação no Brasil.

A mudança na gestão pública


O Ranking de Competitividade é uma poderosa ferramenta de controle e acompanhamento da gestão pública. Ao longo de suas edições, ele permitirá que diferentes gestões estaduais possam ser avaliadas de forma rápida, por meio do conjunto de indicadores que compõem o Ranking.

A riqueza de dados e a organização da informações faz do Ranking de Competitividade uma verdadeira ferramenta de acompanhamento da gestão pública, que pode ser usada pelos governos para a identificação das necessidades mais urgentes. 

A função do Ranking é apontar os indicadores que precisam ser melhorados e as áreas da gestão pública onde estão alocados. A responsabilidade de implementar as mudanças necessárias na gestão pública dependerá da forma como ele, o Ranking, será utilizado pelos governos estaduais e a proatividade dos líderes públicos em encararem os custos políticos.

Conheça as iniciativas do Centro de Liderança Pública para a formação de líderes públicos responsáveis. Veja no site do CLP.